Os equívocos do PT e o sonho de Lula

Durante quatro a cinco décadas houve vigorosa movimentação das bases populares da sociedade discutindo que “Brasil queremos”, diferente daquele que herdamos. Ele deveria nascer de baixo para cima e de dentro para fora, democrático, participativo e libertário. Mas consideremos um pouco os antecedentes histórico-sociais para entendermos por quê esse projeto não conseguiu prosperar.  Leia Mais…

Boulos: o capitalismo do 1%

Em apenas cinco anos, a metade mais pobre da humanidade perdeu 38% de sua riqueza. Os lucros dos bancos não param de crescer. É a isso que chamam de “austeridade” — ou “ajuste fiscal”…

Uma economia para o 1%. Com esse título, a organização não governamental britânica Oxfam lançou no mês passado um estudo sobre as desigualdades no mundo. Pela primeira vez na história o 1% mais rico superou em renda e patrimônio os 99% restantes. Os dados basearam-se no Relatório anual de 2015 do banco Credit Suisse. Leia Mais…

Para tirar a esquerda do marasmo

Surge, agora também na França, esperança de derrotar conservadores. Mas ela exige algo a que partidos desacostumaram-se: enfrentar desigualdade e abandonar velhas estruturas enferrujadas

Por Immanuel Wallerstein | Tradução: Antonio Martins e Inês Castilho | Imagem: Eric Drooker

Quanto Bernie Sanders anunciou que disputaria a indicação pelo Partido Democrata à presidência dos EUA, pouca gente o levou a sério. Hillary Clinton parecia ter tanto apoio que sua escolha parecia garantida sem dificuldades.   Leia Mais…

A “facebookização” do jornalismo

A crise que embala o jornalismo não é de hoje. Críticas a aspectos conceituais, morais, editoriais e até financeiros já rondam esse importante pilar da democracia há um bom tempo. O digital, então, acabou surgindo para dar um empurrãozinho – tanto para o bem como para o mal – nas redações mundo afora. Prédios esvaziados, startups revolucionárias, crise existencial e um suposto adversário invisível: o próprio leitor.

Leia Mais…

Perdoai-lhes senhor…

Arrisco-me a dizer que o problema da candidatura de Edgar Silva não foi a graça do candidato ou a falta de mediatismo, mas sim a rigidez com que se apresentou e a cassete que repetiu à exaustão.

A minha estima por Edgar Silva vem do tempo em que fazia um trabalho social notável com as camadas mais pobres da população madeirense. Era miúdo e ouvia as histórias dos “padres vermelhos” da Madeira com admiração. As TV’s e alguns jornais começavam a mostrar a miséria que o jardinismo tentava esconder, as desigualdades e a exploração que destruía o futuro de gente da minha idade ou mais nova. Edgar era diferente. Jovem, com discurso aberto, combativo.

Leia Mais…

Trajetórias alternativas à ‘crise política’ e o debate da esquerda

O crescimento econômico resultante da produção aumentada da Economia Solidária será, sem coerção e com solidariedade, o desenvolvimento que queremos.

Por Renato Dagnino / Carta Maior

 

No final do artigo “Margem de lucro, taxa de lucro e ‘crise política'”, publicado aqui no último dia 13, que foi acertadamente epigrafado com “Mesmo que a margem de lucro esteja aumentando, a classe empresarial, ao sentir que sua taxa de lucro futura está ameaçada, boicota a ordem econômica”, mencionei que havia analisado trajetórias alternativas àquela que a direita vem construindo. Leia Mais…

Microcefalia: a República cala e permite a imolação das grávidas

Como esperado, já que as interdições ao aborto nunca impediram a sua realização, parece que só mulheres pobres estão tendo bebês com microcefalia. Quem pode pagar R$ 5.000 pratica desobediência civil e aborta entre o pecado e o crime.

O Brasil possui uma das leis sobre aborto mais restritivas do mundo, com três permissivos legais: gravidez pós-estupro, em caso de risco de vida da gestante (1940) e  (2004).Leia Mais…