Golpistas aprovam Reforma Trabalhista, sem alterações

O plenário do Senado aprovou o projeto de lei (PLC 38) de “reforma” da legislação trabalhista. Foram 50 votos a favor e 26 contrários, com uma abstenção. A votação foi concluída por volta das 19h50, depois de mais de seis horas de sessão suspensa, devido a uma ocupação realizada por um grupo de senadoras da oposição. Conforme queria o governo, o texto foi aprovado sem mudanças. Leia Mais…

Governo Temer paralisa reforma agrária no Paraná

MST_PR

Cortes orçamentários, suspensão de programas de financiamento e alterações na legislação marcam a gestão Temer no Brasil

Por Carolina Goetten*
Do Brasil de Fato / MST

Cortes orçamentários, suspensão de programas de financiamento e alterações na legislação marcam a gestão Temer no Brasil. Segundo dados disponíveis no Portal da Transparência, cerca de R$ 122 milhões foram destinados à questão da terra em 2016, contra R$ 460 milhões no ano anterior. A postura do Governo Federal também se revela na Medida Provisória da regularização fundiária – MP759 –, que retornou à Câmara, no último dia 21, para votação dos deputados. O projeto preocupa movimentos sociais e trabalhadores do campo, que acusam a MP de destruir mecanismos estruturados há décadas no Brasil na perspectiva de construir a reforma agrária. Leia Mais…

Associação dos juízes vê ‘retrocesso de 200 anos’ com reforma

Na última fase da audiência pública que antecede a votação do projeto de lei da “reforma” trabalhista (PLC 38), encerrada às 19h20, magistrados e sindicalistas atacaram o texto do governo. Para o presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Guilherme Feliciano, o projeto contém várias inconstitucionalidades e deveria ser discutido durante mais tempo. “Sem isso, com o açodamento, o que teremos é um texto inconstitucional nas mãos de juízes, advogados e procuradores”, afirmou na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado. A CCJ votará o projeto nesta quarta-feira (28).Leia Mais…

Os pobres novamente sob suspeita

Em pleno início do século 21, a atual elite dirigente oferece cada vez mais ao conjunto da sociedade o passado como a verdadeira ponte para o futuro. Quem diria…

É traço característico da classe (dos criados) o pouco amor ao trabalho. Sempre que podem, furtam-se ao cumprimento de suas obrigações. Hoje em dia, porém, não valem eles nem o que comem nas casas dos patrões. (GIL, 1893) […] Cozinheiras e cozinheiros são bêbados e ladrões, copeiros são gatunos, denunciadores, criminosos vulgares, a criadagem feminina participa de todos os vícios e de todos os desequilíbrios. As queixas à polícia são constantes. (RIO, 1911). Leia Mais…

Das críticas à esquerda ao isentismo

Erros não faltam ao PT e a tantos outros partidos que ascenderam ao poder em algum momento. Mas nenhum deles pode ser pretexto para se aceitar um golpe

Há um argumento frequente nas redes sociais e nas conversas por aí, que embora falho, tem conquistado muitos adeptos. Diz-se, em linhas gerais, que o PT sabia quem era Temer e conhecia bem o PMDB e que, por isso, deve admitir que também errou, ou seja, aceitou correr riscos com essa aliança e, por conseguinte, justifica-se o golpe. Erros não faltam ao PT e a tantos outros partidos que ascenderam ao poder em algum momento da história. Mas nenhum deles pode ser pretexto para se aceitar um golpe. Leia Mais…

Imagem do maior escândalo do país ainda se impõe entre casarões centenários de Cuiabá

20-03-banestado

Para moradores e frequentadores dos bares da antes bucólica Praça da Mandioca, a imagem passa quase que desapercebida ou esquecida. O símbolo do maior escândalo acontecido no país, conhecido como “Escândalo do Banestado” ainda continua estampado, imponente entre casarões centenários, no prédio em que havia uma agência do todo poderoso Banco do Estado do Paraná (Banestado), no início da rua Barão de Melgaço. Leia Mais…

Em surdina, mais um ataque à Petrobras

02-03-pre sal

Em meio a onda de desemprego, governo estimula importação de equipamentos que Brasil produz. Medida não é insana: faz parte de um projeto meticuloso de entrega da estatal

Por José Álvaro de Lima Cardoso* / Outras Palavras

O governo divulgou em 22/2 os novos índices de exigência de conteúdo local no setor de petróleo e gás. A destruição da política de conteúdo local, um dos pilares da Lei de Partilha sobre a exploração do Pré-Sal, é parte constitutiva do golpe, como até as pedras já sabiam. Haverá, conforme matérias na imprensa, uma redução média de 50% nos percentuais de equipamentos e serviços produzidos no país, exigidos em licitações de exploração de petróleo e gás. Nas plataformas marítimas, cujo conteúdo local atual é de 65%, a exigência será de apenas 25%. Estas novas regras valerão já para a 14ª rodada de licitações, que deve ocorrer em setembro, e para a terceira rodada de leilões de blocos no pré-sal, prevista para novembro. Leia Mais…

UNE, Ubes e UJS repudiam ameaça de processo feita por ministro

Leia Mais…