Programas policialescos não podem ter carta branca para violar direitos

 O Ministério Público Federal em São Paulo ajuizou ação civil pública contra a Record e a União em decorrência de violações de direitos no programa “Cidade Alerta”. Estudo aponta que programas policialescos violam cotidianamente 12 leis brasileiras e 7 tratados multilaterais.

Charge: Junião

Por Helena Martins (*), especial para a Ponte Jornalismo

“Atira, meu filho; é bandido”. Essa foi uma das frases proferidas por Marcelo Rezende, do programa Cidade Alerta, da Rede Record, ao transmitir, ao vivo, uma perseguição policial a dois homens que seriam suspeitos de roubo. A ação culminou com um tiro disparado à queima roupa pelo integrante da Ronda Ostensiva Com Apoio de Motocicletas (Rocam) da Polícia Militar de São Paulo contra aqueles que, repetidas vezes, foram chamados de “bandidos”, “marginais” e “criminosos” pelo apresentador. Leia Mais…

A mídia à beira de um ataque de nervos

Como a ascensão de candidatos e ideias à esquerda faz os conservadores perderem as estribeiras. Estudo dos casos inglês e norte-americano.

Por Glenn Greenwald, no The Intercept | Tradução: Antonio Martins

A elite política e a mídia britânica perderam pouco a pouco a cabeça, após a eleição de Jeremy Corbyn para a liderança do Partido Trabalhista – e ainda não parecem capazes de se recuperar. Nos Estados Unidos, Bernie Sanders é bem menos radical; os dois não estão sequer na mesma constelação política. Mas, especialmente em temas econômicos, Sanders é um crítico mais robusto e sistêmico do que os centros do poder oligárquico julgariam tolerável. Sua denúncia contra o controle da vida política pelas corporações é uma ameaça grave. Por isso, ele é visto como a versão norte-americana do extremismo de esquerda e uma ameaça ao poder do establishment.Leia Mais…

Escritores de todo o mundo protestam contra sentença de morte de poeta

Ashraf Fayadh, poeta condenado à morte na Arábia Saudita.
Ashraf Fayadh, poeta condenado à morte na Arábia Saudita.

Centenas de escritores juntaram-se numa ação de protesto a nível mundial para apoiar o poeta Ashraf Fayadh, condenado à morte na Arábia Saudita, por ter renunciado ao islão. A ação consistiu em leituras públicas de poemas de Fayadh e fez parte de uma campanha organizada pelo Festival Internacional de Literatura de Berlim, de acordo com o diário The Guardian. O objetivo da campanha foi pressionar os governos dos Estados Unidos e do Reino Unido para que intercedam a seu favor, impedido que as autoridades sauditas cumpram a pena.

Leia Mais…

Proposta de Ensino Integral causa descontentamento na comunidade escolar

Os trabalhadores e trabalhadoras de todo o Estado foram surpreendidos/as com a informação veiculada pela mídia de que a Secretaria de Estado de Educação implantará, a partir do início do ano letivo de 2016, na rede estadual, um projeto de “Ensino” em Tempo Integral. Apesar de reivindicação histórica dos educadores, o modelo apresentado no período de férias da categoria em nada se assemelha com a Escola de Educação e Tempo Integral proposta pelos educadores e asseguradas na Lei do Sistema desde a década de 90.Leia Mais…

Insegurança nas agências bancárias aumentou em 23% em Mato Grosso

A insegurança nas agências bancárias é uma preocupação constante para o Sindicato dos Bancários de Mato Grosso (SEEB/MT). A situação afeta a categoria, clientes e usuários do sistema financeiro. Mas, os bancos não estão preocupados com a questão e não investem o suficiente, além disso, muitos desrespeitam a legislação de segurança bancária.Leia Mais…

Xavantes lutam para recuperar terra após saída de não-índios

Há dois anos, no dia 28 de janeiro de 2013, a entrega pela Justiça do auto de desocupação marcava o fim da desintrusão da área. Grandes produtores, pequenos agricultores e comerciantes foram definitivamente retirados da terra indígena Xavante. Antes disso, eles entraram com várias ações e questionamentos judiciais para tentar adiar a saída da área.Leia Mais…

O novo Fórum Social mundial precisa de coragem

O problema reside agora numa visível hesitação de como proceder diante de uma crise econômica planetária, onde não basta a conservação do já conquistado.

Recomeça em Porto Alegre nesta terceira semana de janeiro de 2016, mais uma reunião do Fórum Social Mundial. Sem o número de participantes e sem a cobertura midiática das primeiras, o sucesso dessa iniciativa popular, sob todos os aspectos urgente e necessária, como um válido contraponto ao que predomina em Davos, vem sendo avaliado como declinante, assim medido, exatamente, só por aquele número e aquela publicidade.Leia Mais…

Ettore Scola fez no cinema a melhor psicanálise da esquerda

Morte do cineasta convida a uma reflexão sobre o aspecto político de seus filmes; a crítica feroz a regimes totalitários convivia com uma profunda formação humanista

 

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

ceravamotantoamatiNão, ele não falou só de esquerda. Era um cineasta completo. Mas a obra do italiano Ettore Scola (1931- 2016) pode também ser analisada pelo que refletiu sobre os rumos da esquerda. Não necessariamente os grandes rumos do Partido Comunista Italiano, ou da esquerda mundial. Ele retratava uma espécie de microesquerda. Personagens comuns, do cotidiano, em seus dilemas éticos – ou neuroses. Apresentados com um misto de afeto e amargura. Com um fio de esperança a desafiar a sensação de impotência.Leia Mais…

Brasil: desigualdade é pior do que se pensava

Inequality-014-1220x763-485x303Novos estudos indicam: distribuição de riqueza melhorou na última década, mas sem afetar os ultra-ricos. Só Reforma Tributária corrigiria tal distorção

Por Marcos de Aguiar Villa-Bôas, na IHU

O best-seller de Thomas Piketty, que ganhou enorme notoriedade em 2014, não pode incluir o Brasil nas suas análises, uma vez que os dados necessários não estavam disponíveis. Isso veio mudando de lá para cá. A Receita Federal passou a divulgar mais dados sobre as declarações de Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF), o que tem permitido a realização de trabalhos muito importantes para a compreender a evolução histórica da desigualdade e as suas relações com as decisões do Estado, como aquelas sobre tributação.Leia Mais…

D. Tomás Balduíno: “Nossa reforma agrária ainda é a dos militares”

Bispo emérito de Goiás, fundador e por seis anos presidente da Comissão Pastoral da Terra, fundador do Conselho Indigenista Missionário, com 90 anos de “uma vida a serviço da humanidade” (registrada em livro), D. Tomás Balduíno encontra momentos de sossego no Convento São Judas, onde mora em Goiânia, porém não desistiu de procurar a agitação dos movimentos sociais.

Goianenses relataram que não é difícil ver o bispo participar de manifestações importantes em sua cidade e Brasil afora. O “Quem tem medo da democracia?”, que o entrevistou com exclusividade dentro do Convento, não tem dúvidas deste vigor para a luta ao lado do povo. O uso do anel de tucum, feito de uma Palmeira nativa da Amazônia, simbolizando o compromisso com os oprimidos, não nos deixa mentir.Leia Mais…